Prevenção de aneurismas cerebrais é pouco conhecida pela população

O neurocirurgião Saul Almeida da Silva explica que, para o acompanhamento de possíveis casos da doença, o monitoramento é feito por meio da angiorressonância, um exame de imagem que permite a avaliação não invasiva dos vasos sanguíneos

 Publicado: 06/09/2022
As pessoas mais propensas à formação e/ou ao rompimento de aneurismas possuem algum fator de risco, como o tabagismo – Fotomontagem por Camila Paim/Jornal da USP sobre imagens Pixabay e Freepik – Ilustração: Blausen Medical Communications, Inc. via Wikimedia Commons/CC BY 3.0

Aneurismas cerebrais são pequenas dilatações nas paredes das artérias que irrigam o cérebro e, na maioria das vezes, são assintomáticos. Mas, quando rompem, causam um sangramento no cérebro e, por isso, são um tipo de Acidente Vascular Cerebral (AVC). O AVC é uma classificação geral para todas as doenças que alteram as artérias ou as veias cerebrais. O aneurisma é uma doença rara, porém, a taxa de mortalidade é de 50% quando há uma ruptura.

Por não ser uma doença comum, os métodos de prevenção e até mesmo as características das pessoas propensas a desenvolvê-la não são muito difundidos. Por essa razão, o neurocirurgião Saul Almeida da Silva, do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP, comenta o assunto.

Grupo de risco

Saul Almeida da Silva – Foto: Researchgate

As pessoas mais propensas à formação e/ou ao rompimento de aneurismas possuem algum fator de risco como: tabagismo, uso de drogas ilícitas, abuso de álcool, pressão alta e parentes que sofrem ou já sofreram com a doença.

Além disso, Saul Silva pontua: “A principal faixa etária acometida pelos aneurismas é a dos 50 anos, a proporção de mulheres para homens é de cerca de duas mulheres para cada homem, ou seja, mais comum entre as mulheres”.

Existe uma conexão entre a formação de aneurisma e o funcionamento dos hormônios femininos, sobretudo na menopausa. A correlação é evidente quando se compara o número de mulheres com aneurisma com o de homens.

A prevenção

Por conta das diretrizes médicas, a investigação de um possível quadro de aneurisma só é indicada quando há um fator hereditário envolvido, principalmente em um cenário em que há parentes de primeiro grau com a doença. “Quanto antes [o aneurisma] for detectado, maior a chance desse paciente sair bem”, comenta Silva.

Para o acompanhamento de possíveis casos da doença, o monitoramento é feito por meio da angiorressonância, um exame de imagem que permite a avaliação não invasiva dos vasos sanguíneos. O aneurisma pode ser tratado de maneira endovascular, por meio da embolização, um tratamento pouco invasivo, ou por via aberta, pela neurocirurgia. Ambos os tratamentos e exames de detecção estão disponíveis no Sistema Único de Saúde (SUS).


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica e o Instituto de Estudos Avançados. No ar, pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 14h, 15h e às 16h45. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.