Prática de instrumento musical ajudou a combater ansiedade durante pandemia

De acordo com a plataforma de empregos GetNinjas, só entre abril e setembro do ano passado, a procura por cursos musicais aumentou 31% no Brasil; em São Paulo, as aulas de música on-line bateram os 93% de aumento

 Publicado: 14/10/2021
Por
O engajamento na prática de um novo instrumento pode ajudar no controle da ansiedade, independentemente do nível do aprendiz – Foto: divulgação

Em meio às angústias do isolamento social, imposto pela pandemia, muitas pessoas decidiram se dedicar a novas atividades e explorar habilidades até então desconhecidas, como aprender a tocar um instrumento musical. A música nunca esteve tão em alta. Só entre abril e setembro do ano passado, a procura por cursos musicais aumentou 31% no Brasil; em São Paulo, as aulas de música on-line bateram os 93% de aumento, segundo dados da plataforma de empregos GetNinjas.

E quem investiu as energias na aquisição de novos conhecimentos acertou em cheio, conforme analisa André Villela, pesquisador da área de Psicologia da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto (FFCLRP) da USP. Segundo o psicólogo, qualquer aprendizado é benéfico e, no caso do instrumento musical, envolve “aspectos bem específicos, como o manuseio, a escuta atenta para os timbres, as notas, os tons musicais, a leitura de uma cifra ou de uma partitura, e toda essa equação que resulta, no final das contas, na música”.

O cenário desse aprendizado é classificado por Villela como muito motivador e acrescenta que “há indícios de que aprender a tocar um instrumento” pode refletir positivamente na memória, despertando o interesse pela própria história ou as de “um determinado lugar, um povo, uma cultura, em diálogo bem democrático”.

Outro aspecto destacado pelo pesquisador foi o bem-estar e poder de combater, por exemplo, a ansiedade, sentimento intensificado pela pandemia. Villela diz que o engajamento na prática de um novo instrumento pode ajudar no controle da ansiedade, independentemente do nível do aprendiz. Avançado ou iniciante, “esses benefícios para combater a ansiedade irão acontecer da mesma forma”, acrescenta.

Exemplo de quem resolveu investir na música foi André Pádua. O estudante de 24 anos conta que quis voltar a fazer aulas de música, pois já tocava guitarra e violão, e por causa da pandemia decidiu se aperfeiçoar musicalmente e aprender a tocar um novo instrumento, o cavaquinho. André conta que a atitude trouxe muitas melhorias ao seu dia a dia, modificando sua rotina e deixando seus “dias menos pesados”.

Professor e músico da banda Kilotones, João Paulo Barrionovo integra o projeto Capacitarte, voltado para pessoas com deficiência (PCD) e aprovado pelo Programa Nacional de Apoio à Atenção da Saúde da Pessoa com Deficiência (Pronas/PCD). Segundo o professor de música, vários são os casos de alunos seus que iniciaram atividades musicais para o controle de doenças, entre elas, ansiedade, depressão e transtorno de personalidade. E, afirma, “ajudam muito”.

Barrionovo afirma que não somente quem tem problemas de saúde mental pode conseguir alívio com a música, mas também profissionais com atividades estressantes, como advogados, médicos, dentistas, podem fazer música como terapia. E, por falar nessa importância da atividade musical e seu aumento durante a pandemia, o músico conta que possui alunos adultos que precisaram parar várias atividades, com dificuldades financeiras, mas não deixaram a música. 


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica, a Faculdade de Medicina e o Instituto de Estudos Avançados. No ar, pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 10h45, 14h, 15h e às 16h45. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.