Possibilidades de “bicos” se expandem graças a aplicativos

Colunista comenta que no setor não se tem proteção nem responsabilidade, resultando em um serviço precário

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Luli Radfahrer comenta nesta edição a economia de bicos, a tradução brasileira da ideia de gig economy. O conceito trata daquilo que não é a profissão principal do indivíduo, mas aquela que ele faz para complementar a renda. A grande novidade nesse setor é a facilidade de expansão obtida depois do surgimento dos aplicativos.

De acordo com o colunista, esse cenário gerou um problema sério: “Você não tem proteção nem responsabilidade, o que leva a um serviço extremamente precário”. Como solução, aponta a determinação de um padrão mínimo de qualidade tanto para quem oferece o serviço quanto para aquele que o recebe.

Confira a íntegra da coluna Datacracia no player acima.

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.


  •  
  •  
  •  
  •  
  •