Pornografia de contrabando é causa de fraudes bancárias

Hackers se aproveitam do alto acesso a sites pornôs e tabu social para fraudar dados de usuários

Na coluna Datacracia de hoje, o professor Luli Radfahrer traz à discussão a pornografia de contrabando, um modo perigoso – e rápido – de fraudar dados bancários. Esse ramo se utiliza do acesso a sites pornográficos para espalhar vírus no computador ou celular. Basta apertar o vídeo errado.

A pornografia foi escolhida estrategicamente para o transporte de invasores como malwares e cavalos-de-troia. Além do alto número de acessos, ela é considerada um delito leve – logo, a investigação é mínima. Por isso, “contrabandear” um vírus junto a vídeos pornográficos torna-se uma opção fácil e segura para hackers

Mas a facilidade em espalhar softwares maliciosos sem serem pegos não é a única vantagem para fraudadores. Eles se aproveitam do fator social, o tabu em torno do consumo da pornografia. “Escolhe-se esse canal porque a pornografia gera vergonha, de pegar vírus desses sites. Quem foi infectado por pornografia não tem coragem de contar para as pessoas”, comenta Radhfarer.

Ouça na íntegra a coluna Datacracia de hoje.

.

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.