Poluição do ar mata milhões de pessoas no mundo, segundo OMS

Pedro Luis Côrtes também diz que mudanças climáticas não estão na agenda prioritária de governos, o que compromete qualidade de vida

A devida atenção dada à pandemia do coronavírus está ofuscando outras doenças que já existem e situações ambientais que provocam mais e mais mortes por períodos contínuos. A própria poluição do ar e a falta de saneamento básico acentuam esses problemas. Na sexta-feira, 13, o Jornal da USP no Ar conversou com Pedro Luiz Côrtes, professor da Escola de Comunicações e Artes (ECA) e do Programa de Pós-graduação em Ciência Ambiental do Instituto de Energia e Ambiente (IEE) da USP.

“Temos um nível de letalidade maior em outras doenças e isso escapa da nossa atenção cotidiana ou é considerado uma ‘coisa usual’. Um levantamento da OMS (Organização Mundial da Saúde), feito no ano passado, calcula que, anualmente, entre sete e oito milhões de pessoas morrem no mundo, em decorrência da poluição do ar”, explica Côrtes.

De acordo com o professor, a poluição do ar atinge a todos democraticamente. Um exemplo é a capital São Paulo, que possui áreas com menor ou maior concentração de poluentes, mas que, mesmo assim, torna todas as pessoas suscetíveis aos efeitos da poluição. “Diversos estudos internacionais mostram que as faixas mais sensíveis da população que sofrem com isso são as crianças e os idosos, que hoje são classificados como categoria de risco em relação ao novo coronavírus.”

Ainda segundo Pedro Côrtes, a mobilização que o governo faz agora para a pandemia mostra que  também pode ser feita para problemas já recorrentes, como os problemas ambientais e patologias que causam mortes maior que a covid-19. “Temos uma epidemia de dengue em várias cidade brasileiras, como em Londrina, no oeste do Paraná. Isso vem sendo noticiado pela imprensa, mas parece que não está recebendo a devida atenção por parte do governo e população”. Comprometendo a qualidade de vida, o professor também ressalta a existência da preocupação em relação às mudanças climáticas, mas que isso ainda não está incluído na agenda prioritária de governos.

Ouça a entrevista completa no player acima. 


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica, a Faculdade de Medicina e o Instituto de Estudos Avançados. Busca aprofundar temas da atualidade de maior repercussão, além de apresentar pesquisas, grupos de estudos e especialistas da Universidade de São Paulo.
No ar de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 9h30, com apresentação de Roxane Ré.
Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo no celular.

.

.

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.