Pobreza, fome e turbulência política levam a aumento de migrações na América Latina

Segundo o professor Gustavo Mônaco, as migrações são uma situação cíclica e seu agravamento nos últimos anos é influenciado pela crise vivida no Haiti e na Venezuela

 25/10/2021 - Publicado há 1 mês
O caso dos migrantes venezuelanos no Brasil ganhou destaque nos últimos anos- Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

A América Latina vive uma crise migratória sem precedentes. Da população total da América do Sul em 2020, 2,6% correspondem a migrantes internacionais. Os números indicam um aumento de quase 1% se comparados ao registrado em 2015, de acordo com a Organização Internacional para Migrações. As causas passam por pobreza, fome e turbulência política, principalmente.

“As migrações são uma situação cíclica”, analisa o professor Gustavo Mônaco, da Faculdade de Direito (FD) da USP. O agravamento nos últimos anos é influenciado pela crise vivida no Haiti e na Venezuela. Com relação à população que recebe esses migrantes, a rejeição pode ser um obstáculo à integração. Porém, o argumento de que imigrantes ou refugiados podem “roubar postos de trabalho” é infundado. “Isso é só fumaça, porque existe uma circunstância para os migrantes muito complexa para as atividades profissionais, independentemente da qualificação profissional em seu país de origem”, afirma o Mônaco.

Venezuelanos saem de Pacaraima em busca de abrigo em Boa Vista, Rondônia – Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Historicamente, grupos políticos mais à direita tendem a ter uma política migratória mais restrita, em que são colocados mais critérios e barreiras para a inserção do imigrante em seu novo espaço, principalmente no que se refere ao mercado de trabalho. Com a variação da agenda política nos governos latinos, indo de agendas de direita para esquerda, a forma com que as migrações são tratadas acaba sendo cíclica também.

O caso dos migrantes venezuelanos no Brasil ganhou destaque nos últimos anos. Aqueles que estão sendo acolhidos já estabelecem programas de permanência, os quais dependem das condições sociais, políticas e econômicas de seu país de origem. Aqui, já há uma perspectiva de serem estabelecidos laços no empreendimento, trabalho e até vínculos sociais. “O bom enfrentamento dessas questões passa pela boa integração desses indivíduos”, afirma Mônaco, lembrando da potencial contribuição dos migrantes na vida econômica do País.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica, a Faculdade de Medicina e o Instituto de Estudos Avançados. No ar, pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 10h45, 14h, 15h e às 16h45. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.