Pneumonia silenciosa pode ser mais perigosa que casos com sintomas claros de covid-19

Carlos Carvalho, da Divisão de Pneumologia do Incor, afirma que sedentarismo associado ao isolamento deixa mais difícil ainda identificar se há falta de ar

 08/05/2020 - Publicado há 2 anos  Atualizado: 14/05/2020 as 12:09

A pneumonia silenciosa, um quadro específico de infecção por covid-19, deixa o diagnóstico mais difícil e aumenta os riscos da doença. Em entrevista ao Jornal da USP no Ar, Carlos Carvalho, diretor da Divisão de Pneumologia do Instituto do Coração (Incor) do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP (FMUSP), comenta essa linha de ação do novo coronavírus.

Algumas pessoas atingidas pela covid-19, felizmente uma minoria, têm tido uma evolução rápida e assintomática da doença. O demonstrativo mais marcante da presença do vírus, a falta de ar, neste tipo de caso, simplesmente demora a se manifestar. Porém, quando os sintomas aparecem, a ação do agente infeccioso no sistema respiratório já está bastante avançada. Chama-se este quadro de pneumonia silenciosa.

A resposta do organismo ao coronavírus ainda é pouco conhecida, segundo o pneumologista do Incor, e varia de acordo com alguns fatores: “Carga genética, que modula resposta imune, virulência e condição prévia do sistema respiratório do indivíduo”. Dependendo desses aspectos, haverá manifestação clínica — “a clássica é a diminuição da função dos pulmões”, aponta Carvalho.

Em termos práticos, a partir do momento em que o sistema respiratório é atingido, os órgãos passam a receber menos oxigênio. A consequência é que, devido à insuficiente oxigenação sanguínea, o paciente sente falta de ar. Porém, existe um limiar a partir do qual a manifestação clínica acontece — ou seja, a pessoa percebe os sintomas. Então, o que pode ocorrer são pequenas inflamações que, aos poucos, comprometem o sistema respiratório, sem que o indivíduo perceba, até o momento em que o quadro dá um salto e o paciente tem uma piora significativa.

Para prevenir o problema, em um momento de isolamento social em que o sedentarismo coloca as pessoas em situação de pouco “estresse respiratório”, o professor indica a prática de atividades físicas. Realizar esforço corporal é uma forma de testar os pulmões, colocando-os nessa tal situação de estresse, o que possibilita analisar se há comprometimento do sistema a partir de evidências de insuficiência durante a atividade.

Ouça a entrevista na íntegra no link acima.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica, a Faculdade de Medicina e o Instituto de Estudos Avançados. No ar, pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 10h45, 14h, 15h e às 16h45. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 

 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.