Plantas podem comunicar-se através de bioeletricidade

Especialista conta que os biossensores nos vegetais podem detectar poluição e ajudar na agricultura

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

As plantas são normalmente vistas pelo imaginário popular como seres estáticos, o que é não é verdade. Elas são muito dinâmicas, explica Ernane José Xavier da Costa, professor associado do Laboratório de Física Aplicada e Computacional (Lafac) e chefe do Departamento de Ciências Básicas (ZAB) da Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos (FZEA) da USP em Pirassununga. De acordo com ele, as novas descobertas giram em torno da bioeletricidade, pois esses seres possuem sensores de moléculas químicas, que reagem a estímulos do meio.

O professor conta que é possível monitorar o nível de estresse hídrico de tomateiros através de biossensores que captam sua movimentação bioelétrica. Os aguapés também vêm sendo utilizados nas pesquisas, por causa de sua sensibilidade à poluição da água. Assim, ocorre a monitoração das atividades da espécie, a qual tem reações diferentes quando está em ambientes contaminados. A principal descoberta, no entanto, é a existência de transmissões bioelétricas entre as próprias plantas. Como elas não possuem cérebro, nem neurônios, o grande desafio nesse caso é descobrir como ocorre o processamento na troca de informações. As pesquisas estão mostrando uma complexidade cada vez maior no modo como esses seres reagem ao meio e comunicam-se.

Jornal da USP, uma parceria do Instituto de Estudos Avançados, Faculdade de Medicina e Rádio USP, busca aprofundar temas nacionais e internacionais de maior repercussão e é veiculado de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 9h30, com apresentação de Roxane Ré.

Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo no celular. Você pode ouvir a entrevista completa no player acima.

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Textos relacionados