Pesquisa analisa os fatores que dificultam o aumento salarial

Para Hélio Zylberstajn, o País se encontra em uma tempestade perfeita formada por fatores economicamente desfavoráveis que impedem o reajuste salarial

 06/08/2021 - Publicado há 4 meses
“Para voltarmos ao nível de ocupação de antes da pandemia, nós precisaríamos criar 10 milhões de ocupações”, afirma Zylberstajn – Foto: Daniel Isaia/Agência Brasil

O Brasil completa um ano sem reajustes no salário mínimo, mantendo seu valor atual abaixo da inflação prevista para o ano de 2021. De acordo com dados levantados pela pesquisa da Fipe, por mais que não tenha havido uma manutenção do salário mínimo houve medidas que contribuíram para a manutenção nos níveis de ocupação durante a pandemia.

“O que nós constatamos é que nos últimos 12 meses a mediana dos reajustes ficou abaixo da inflação”, contou ao Jornal da USP no Ar 1ª Edição Hélio Zylberstajn, da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade (FEA) da USP e coordenador do Projeto Salariômetro da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe). De acordo com ele, devido à queda da demanda de trabalho, as empresas passaram a contratar menos, gerando uma desvalorização do valor da mão de obra, sendo possível notar a queda nesse valor em momentos de reajuste, onde nota-se que não se consegue cobrir a inflação. 

De acordo com Zylberstajn, uma das medidas que conseguiram sanar os efeitos dessa falta de reajuste foi a possibilidade da empresa e funcionário negociarem diretamente. Esse é um quadro generalizado, especialmente para as micros e pequenas empresas, por não ter conhecimento ou não ter instrumentos para negociar com o sindicato saídas que evitem o aumento da taxa de desocupação e gere a manutenção salarial dentro de limites possíveis. 

Em relação à inflação, o coordenador do Fipe classifica que o País encontra-se no meio de uma tempestade perfeita de fatores que aumentam os efeitos inflacionários. Com uma taxa de desocupação enorme, uma quantidade de trabalhadores desalentados que estão fora do mercado e a inflação, que corroeu o poder aquisitivo, o País sofre com uma crise que não consegue cobrir os efeitos da queda causada pela pandemia. No entanto, o especialista considera que medidas e órgãos trabalhistas que buscam implementar políticas públicas para proteger o trabalhador conseguiram, de alguma forma, minimizar os impactos dessa crise. 

“Para voltarmos ao nível de ocupação de antes da pandemia, nós precisaríamos criar 10 milhões de ocupações”, afirma Zylberstajn, ao comentar as perspectivas para o futuro. Segundo ele, é necessário que haja um crescimento nas taxas de ocupações rapidamente para combater essa crise; no entanto, destaca que isso deve ocorrer quando os empresários e empresas tiverem confiança de que seus investimentos irão manter um crescimento constante.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica, a Faculdade de Medicina e o Instituto de Estudos Avançados. No ar, pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 10h45, 14h, 15h e às 16h45. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.