Permuta de bens públicos não considera interesses da população

Raquel Rolnik afirma que vendas de áreas da prefeitura para a iniciativa privada ignoram interesses públicos

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterImprimir esta páginaEnviar por e-mail

Na coluna “Cidade para Todos” desta semana, a professora Raquel Rolnik, da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU) da USP, comenta sobre a permuta de imóveis e de bens públicos na cidade de São Paulo, que possibilita a venda de bens públicos ou concede áreas de posse da prefeitura, através de parcerias público-privadas.

No dia 21 de julho, o prefeito João Doria (PSDB) enviou à Câmara Municipal um projeto de lei que autoriza a venda de todos os terrenos não utilizados da Prefeitura de São Paulo, com área que não ultrapasse dez mil m², pretendendo, através desta lei, vender terrenos públicos nos bairros de Pinheiros e Morumbi. Raquel considera o projeto errático, pois este não leva em conta um conjunto de necessidades, e aponta a importância de se estabelecer uma política de uso dessas áreas para atender às necessidades públicas, e não para fins privados. Ouça a coluna de Raquel Rolnik.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterImprimir esta páginaEnviar por e-mail

Textos relacionados