Peritonite, uma infecção que pode ser evitada com alimentação saudável

Ajith Kumar Sankarankutty explica que o peritônio é uma membrana que ajuda no transporte seletivo de fluido de células, na inibição imunológica e até contra a disseminação de tumores dentro da cavidade abdominal

 Publicado: 14/10/2021
Por

.

Vários fatores  podem levar ao desenvolvimento de uma peritonite, como as doenças gastrointestinais ou lesões na cavidade abdominal – Foto: Gerd Altmann – Pixabay / Fotomontagem Jornal da USP

O peritônio é algo que poucas pessoas conhecem ou ouviram falar, mas é extremamente importante para o corpo. Trata-se de uma membrana que envolve a cavidade abdominal. Ela reveste todos os órgãos do abdômen (estômago, fígado, pâncreas e os intestinos), formando uma espécie de saco.

Qualquer problema nessa membrana causa muitas complicações. Uma delas é a peritonite, resultante de uma infecção, ruptura ou grave inflamação de um dos órgãos do abdômen, como, por exemplo uma apendicite ou pancreatite.

São vários os fatores que podem levar ao desenvolvimento de uma peritonite: doenças gastrointestinais, lesões na cavidade abdominal ou procedimentos médicos que levam à infecção ou irritação do peritônio, provocando sinais e sintomas como dor e sensibilidade abdominal, febre, vômitos ou prisão de ventre.

O professor Ajith Kumar Sankarankutty, do Departamento de Cirurgia e Anatomia da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP) da USP, explica que essa membrana é muito importante e complexa, pois “permite uma barreira protetora dos órgãos, além de ter uma superfície sem atrito para que haja movimentação e deslizamento do intestino, por exemplo. Ela também permite o transporte seletivo de fluido de células, além de ajudar na inibição imunológica nessa região e até na proteção contra a disseminação de tumores dentro da cavidade abdominal”.

Sankarankutty alerta que o principal sintoma  de que alguma coisa não está bem é a dor abdominal persistente, cólicas, enjoos e perda de apetite, por isso deve-se procurar um médico o quanto antes para investigar o que está ocorrendo. Apesar de atingir vários órgãos do corpo, o especialista do Departamento de Cirurgia diz que todas as doenças que são envolvidas pelo peritônio têm tratamento. “Normalmente são doenças com tratamento e cura, mas á preciso que o diagnóstico seja feito a tempo e é importante que a pessoa não tenha doenças associadas graves, como cirrose, que pode complicar ou dificultar o tratamento, levando a resultados desfavoráveis”, afirma Sankarankutty.

O ideal mesmo é manter sempre uma alimentação adequada para evitar que esses órgãos, tão importantes para a vida, sejam afetados e consequentemente atinjam essa membrana tão delicada. “A rotina de uma vida saudável inclui uma alimentação balanceada, com frutas, verduras e legumes e atividade física regular”, finaliza Ajith.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica, a Faculdade de Medicina e o Instituto de Estudos Avançados. No ar, pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 10h45, 14h, 15h e às 16h45. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 

 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.