Pensamento acelerado pode ser sintoma de transtorno mental

Mario Rodrigues Louzã cita, como exemplos, o Transtorno de Déficit de Atenção com Hiperatividade e o transtorno bipolar

 08/12/2022 - Publicado há 2 meses
Por
Nosso cérebro possui várias velocidades de pensamento e, em algumas situações, pode sofrer alterações – Foto: Reprodução/Freepik

 

A síndrome do pensamento acelerado, um problema que pode ocorrer com algumas pessoas, está nomeado de forma incorreta. O correto é dizermos que não é uma síndrome, mas sim um sintoma de um transtorno mental. Mário Rodrigues Louzã, coordenador do Programa de Esquizofrenia e também do Programa de Déficit de Atenção e Hiperatividade do Adulto do Instituto de Psiquiatria da USP, explica que, “para identificar se há alteração no pensamento é necessário fazer uma avaliação na qual se verifica se o pensamento está acelerado a partir do discurso que o paciente relata, e também são avaliados outros sintomas para só então se fazer um diagnóstico de um transtorno mental”. 

Mario Rodrigues Louzã Neto – Foto: Reprodução/Fapesp

Nosso cérebro possui várias velocidades de pensamento e, em algumas situações, pode sofrer alterações. O órgão tem as capacidades de atenção, memória e pensamento. Essas capacidades são chamadas de funções mentais ou psíquicas. Existe uma forma de analisar o pensamento e uma de suas característica é através de sua velocidade. Ela pode se dar dentro da normalidade, mas existem algumas situações, como os transtornos mentais, em que ela fica fora da normalidade. Entre os transtornos que podem ocasionar essa alteração, está o TDAH – Transtorno de Déficit de Atenção com Hiperatividade. Há também o transtorno bipolar, em que a pessoa, na fase de euforia, salta de um assunto para o outro sem que haja o término do pensamento, do que se está falando. Em alguns casos de ansiedade, o pensamento também fica acelerado, mas dentro da normalidade, como, por exemplo, na véspera de uma prova.

Diferenças

É possível distinguir um pensamento acelerado normal de um transtorno mental. As circunstâncias normais da vida em que o pensamento está acelerado está vinculado a uma situação, a um fato que vai acontecer. Terminado esse fato, volta-se a ter o pensamento na velocidade normal quando cessa a preocupação. Mas existem doenças em que o pensamento fica fora do controle da pessoa, ela não consegue impedir que isso aconteça.

Assim como há formas diferentes de aceleração do pensamento, há várias maneiras de realizar o tratamento e lidar com o problema. Louzã explica que, “dependendo do transtorno mental que está causando essa aceleração do pensamento, a nossa abordagem terapêutica será diferente. No quadro de ansiedade generalizada, por exemplo, em um transtorno bipolar, na fase de euforia, você tem alguns medicamentos para controlar esse pensamento acelerado e demais sintomas. Já em uma situação cotidiana, em que a pessoa está com o pensamento acelerado por algum motivo, se a pessoa der uns passos para trás e conseguir refletir um pouco sobre os motivos porque isso está acontecendo, ela pode procurar uma terapia para lidar melhor com a situação que a está deixando ansiosa”.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica e o Instituto de Estudos Avançados. No ar, pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 14h, 15h e às 16h45. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.