Maiores índices de emissão de metano estão em áreas de pastagens

Substância é 25% mais potente que gás carbônico na retenção de calor na atmosfera

O programa Ambiente É o Meio desta semana traz entrevista com o pesquisador Leandro Fonseca de Souza, do Centro de Energia Nuclear na Agricultura da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq) da USP, sobre o sequestro de metano em florestas e pastagens.

Em sua pesquisa, Souza buscou identificar a diferença entre a absorção do gás por florestas e pastagens e qual a reação dos microorganismos presentes nos dois locais. Segundo o pesquisador, o metano é 25 vezes mais potente que o gás carbônico na retenção de calor na atmosfera.

O biólogo conta que a produção do metano acontece com a ação do homem, como a agricultura e agropecuária, em áreas alagadas e no rúmen dos animais, respectivamente. “A produção envolve tudo, desde as florestas incorporando CO2 até as queimadas que liberam gás na atmosfera. Além disso, mudanças na estrutura  do solo também propiciam a produção do metano”.

Souza afirma que os maiores índices de emissão de metano estão em áreas de pastagens, principalmente quando o manejo e cuidados não são feitos de forma correta. “É uma produção que traz muitos gases de efeito estufa. Isso precisa ser reconhecido e políticas públicas implementadas para reduzir esse impacto”.


Ambiente é o meio

AMBIENTE É O MEIO - No ar todas as quartas, às 13h. Você pode sintonizar a Rádio USP em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo no celular para Android e iOS.

.

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.