Parto prematuro, um problema de saúde que tem solução

Segundo Saldiva, reduzir o parto prematuro não só melhora as condições de sobrevivência dos bebês, mas também lhes devolve uma capacidade de exercer uma vida adulta em sua plenitude

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

logo_radiousp_790px

Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

O Brasil, assim como São Paulo, ainda apresenta taxas de parto prematuro maiores do que as desejadas. A informação é do professor Paulo Saldiva, que observa que o parto prematuro está associado a uma maior mortalidade do bebê por doenças infecciosas no primeiro ano de vida, assim como é maior o risco de este bebê desenvolver doenças crônicas – como diabete e obesidade – em sua fase adulta. Em São Paulo, foi constatado que o risco de parto prematuro é maior nas gestações precoces, assim como naquelas que se dão acima dos 31 anos de idade. A boa notícia é a de que um bom pré-natal pode reduzir o risco de prematuridade.

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.


  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Textos relacionados