Para colunista, delações da Odebrecht complicam quadro eleitoral

No momento atual, é impossível fazer qualquer previsão a respeito das eleições do ano que vem

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterImprimir esta páginaEnviar por e-mail

O cientista político André Singer, em sua coluna “Poder e Contrapoder”, analisa as consequências políticas da divulgação da lista do ministro Edson Fachin a partir das delações da Odebrecht. A divulgação, nesta quarta-feira (12), do vídeo do empresário Marcelo Odebrecht foi apenas mais um componente desse episódio.

Singer lembra que, entre os envolvidos em casos de corrupção, encontram-se vários pré-candidatos à presidência da República em 2018, o que torna extremamente nebuloso o quadro eleitoral, dificultando qualquer prognóstico a respeito do que está por vir. No atual momento, segundo ele, é impossível fazer qualquer previsão sobre as eleições do ano que vem, para desespero dos partidos políticos, que ganharam uma pedra em seus sapatos.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterImprimir esta páginaEnviar por e-mail

Textos relacionados