Pantanal sofre com falta de dados oficiais sobre conservação

Bioma é pressionado pelo agronegócio e carece de investimento em recuperação de áreas degradadas

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterImprimir esta páginaEnviar por e-mail

O Pantanal cobre 2% do território brasileiro e é patrimônio nacional pela Constituição de 1988. Com 15% de sua extensão ocupada por pastagens, segundo a ONG SOS Pantanal, é um dos biomas mais conservados do País. No entanto, a coordenadora do grupo de pesquisa Políticas Públicas, Territorialidades e Sociedade do Instituto de Estudos Avançados da USP (IEA-USP), Neli Aparecida de Mello-Théry, alerta para as ameaças a esse ecossistema.

Serra do Amolar, no norte de Corumbá, na divisa entre Mato Grosso e Mato Grosso do Sul com a Bolívia – Foto: Ale Bertassoni via Wikimedia Commons / CC BY-SA 4.0

Ela explica que o crescente turismo na região deve ser feito de maneira que não interfira no ciclo de vida das espécies do bioma. Além disso, o aumento de temperatura devido às mudanças climáticas já está prejudicando o Pantanal. A pesquisadora ainda avalia que as ações de conservação do governo federal precisam ser intensificadas, assim como o investimento em recuperação das áreas degradadas.

O Jornal da USP, uma parceria do Instituto de Estudos Avançados e Rádio USP, busca aprofundar temas nacionais e internacionais de maior repercussão e é veiculado de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 9h30, com apresentação de Roxane Ré.

Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo no celular.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterImprimir esta páginaEnviar por e-mail

Textos relacionados