Pandemia mostra necessidade de reavaliação das agendas de sustentabilidade

Em meio à pandemia, emissões de carbono caem e ações de cooperação internacional crescem, porém, segundo Arlindo Philippi Junior, é necessário cobrança popular para que ações sobrevivam após a crise

As emissões de carbono ao redor do mundo devem cair cerca de 7% em 2020, devido à pandemia de coronavírus. Apesar do dado apontado pelo jornal Nature Climate Change, a movimentação de retomada das economias gera temor de que essa redução só exista enquanto perdurar a pandemia. Para Arlindo Philippi Júnior, da Faculdade de Saúde Pública da USP, a perspectiva é dupla: primeiramente, a situação é, sim, temporária, porém, existe a possibilidade de que parcela da população, após a pandemia, mude seus hábitos, por exemplo, utilizando menos transporte e realizando atividades remotamente.

A ação do coronavírus vem provando, entre outras coisas, o peso da desigualdade socioeconômica. O momento é um grande demonstrativo de que as atuais agendas de sustentabilidade, apesar de ambiciosas, podem não estar gerando os efeitos necessários. O professor reforça o compromisso firmado pela quase totalidade dos países com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da Organização das Nações Unidas. No entanto, ele aponta que apenas os países mais avançados têm conseguido cumpri-los: “O retorno à nova normalidade exigirá uma cobrança maior da população para com evidências que escancaram as desigualdades sociais e econômicas, principalmente em países em desenvolvimento”.

Diferentemente da maior parte do planeta, que deve diminuir as emissões de carbono em 2020, o Brasil caminha para aumentar as suas em cerca de 15% em relação a 2018, quando foi realizada a última medição. O dado do Climate Observatory demonstra que o País não vem caminhando bem em relação às agendas de sustentabilidade, deixando muitas vezes de lado a preocupação com o meio ambiente e até mesmo com as desigualdades socioeconômicas.

Há necessidade — segundo Philippi Junior — “de que seja colocada em discussão um conjunto de planos voltados à incorporação dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável naquilo que o País terá obrigatoriamente que fazer para diminuir as desigualdades socioeconômicas. A partir daí, líderes políticos e empresariais que tiverem consciência deverão enfrentar essas desigualdades desenvolvendo políticas públicas que permitam a implantação de tais projetos”.

Ouça na íntegra no link acima.

.

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.