Pandemia de covid-19 impulsiona crise política no Paraguai

Rafael Villa diz que o Paraguai é um dos países mais pobres da América Latina e enfrenta problemas não só no combate à pandemia como também se vê às voltas com uma crise política

 16/04/2021 - Publicado há 7 meses
Por
Os paraguaios ignoraram o isolamento social e foram às ruas pedir a renúncia do presidente Mario Abdo Benítez – Foto: Ministerio de Hacienda via Wikimedia Commons/Flickr/Domínio público

 

Para entender o que está acontecendo no Paraguai, é preciso diferenciar duas frentes de conflito do governo, que avançam em paralelo. A crise sanitária que o presidente Mario Abdo Benítez insiste em negar — hospitais com UTIs lotadas, escassez de medicamentos para pacientes internados com covid-19,  além da baixa taxa de vacinação da população — é profundamente delicada. E o drama da pandemia minimizado pelo presidente acabou se tornando a desculpa perfeita para que seus opositores, dentro e fora do Partido Colorado, voltem à carga com um pedido de impeachment.

Com esse quadro, os paraguaios ignoraram o isolamento social e foram às ruas pedir a renúncia do presidente Mario Abdo Benítez.  Os protestos contrários  começaram depois de um aumento expressivo no número de casos da covid-19 no país, com a chegada da segunda onda da doença.

O Paraguai possui 7 milhões de habitantes e sua maioria é basicamente formada por jovens, são cerca de 27% de seus habitantes, além disso 38% da população ainda vive na zona rural, por isso a covid-19 não teve um grande impacto na primeira onda do vírus.

O professor Rafael Villa, do Núcleo de Pesquisa em Relações Internacionais (Nupri-USP) e de Ciências Políticas da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da Universidade de São Paulo, explica que a recente crise que o país está vivendo está relacionada com a má gestão da pandemia, já que Benítez é negacionista. Mesmo assim, o professor da USP “não acredita em um pedido de impeachment, visto que ele possui maioria no Congresso, por isso a chance de ele cumprir seu mandato até o final (2023) é grande”, conclui.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica, a Faculdade de Medicina e o Instituto de Estudos Avançados. No ar, pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 10h45, 14h, 15h e às 16h45. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 

 

 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.