Pandemia da covid-19 expõe fragilidades estruturais no Brasil

Pedro Luiz Côrtes acredita que falta de investimentos prévios em áreas como saúde e saneamento afetou no enfrentamento da pandemia

jorusp

O Brasil já registrou mais de 60 mil mortes pelo novo coronavírus e 1,5 milhão de infectados. Em entrevista ao Jornal da USP no Ar o professor Pedro Luiz Côrtes, da Escola de Comunicações e Artes (ECA) e do Programa de Pós-Graduação em Ciência Ambiental do Instituto de Energia e Ambiente (IEE) da USP, faz um balanço da atuação brasileira no combate à pandemia e do impacto de fragilidades estruturais nessa questão.

O especialista considera que o conhecimento científico tem sido fundamental para traçar estratégias de enfrentamento da covid-19, principalmente no que se trata de medidas sanitárias. Quanto ao sistema de saúde, Côrtes ressalta que, mesmo com tentativas anteriores de reduzir o SUS, hoje é ele que tem conseguido atender à demanda de casos de coronavírus da população carente, e não os planos de saúde, por exemplo.

Com as medidas de isolamento houve a estipulação de home office por grande parte das empresas, fazendo com que os deslocamentos urbanos diminuíssem e a qualidade do ar melhorasse. O professor acredita que, “quando bem implementado, o home office pode ser uma solução que venha a aumentar a qualidade de vida das pessoas e reduzir custos de trabalho por parte das empresas” e, portanto, pode ser um formato adotado no pós-pandemia.

O enfrentamento da situação também tem sido favorecido pela experiência brasileira de vacinação em massa para doenças como sarampo. “Infelizmente, nos últimos anos, nós não tivemos uma boa cobertura vacinal, mas essa expertise será fundamental para quando tivermos uma vacina contra o coronavírus, tanto em vacinação quanto em nossa capacidade de produzir grandes quantidades de vacinas rapidamente”, diz Côrtes.

Além desses fatores, outra coisa que expõe as fragilidades estruturais são as questões de saúde pública, como o saneamento básico e a higienização pública. “Todo esse descaso ao longo de vários anos com esses itens, incluindo saneamento, Sistema Único de Saúde e programas de vacinação, vem cobrando um preço que pode atrapalhar nossa saída da pandemia de covid-19. Se tivéssemos feito os investimentos necessários nessas áreas, com certeza poderíamos sair com muito mais facilidade dessa situação”, conclui o professor.

Saiba mais ouvindo a entrevista na íntegra.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP, Faculdade de Medicina e Instituto de Estudos Avançados. Busca aprofundar temas da atualidade de maior repercussão, além de apresentar pesquisas, grupos de estudos e especialistas da Universidade de São Paulo.
No ar de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 9h30, com apresentação de Roxane Ré.
Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo no celular.

.

.

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.