“Os clássicos da literatura devem ser lidos e sua leitura, incentivada”

Segundo Paulo Martins, o valor dessas obras se encontra justamente no fato de que, “a partir dessa ficção, conseguimos reconhecer o outro, ou mesmo uma época” 

Por
“O clássico é clássico justamente porque guarda em si mesmo as leituras que fizeram dele no passado” – Foto: Unsplash

Machado de Assis, Guimarães Rosa, Aluísio Azevedo, Clarice Lispector, Drummond… Você já deve ter ouvido esses nomes e lido ao menos uma das obras desses autores ao longo da vida. Seja porque a escola pediu ou por iniciativa própria. 

As obras desses autores são chamadas de clássicos e, através delas, é possível mergulhar na cultura de um país e compreender mais a realidade em seu entorno, mesmo que se trate de uma ficção. O professor de Letras Clássicas, Paulo Martins, da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP, explica que “o mais importante é que, a partir dessa ficção, conseguimos reconhecer o outro, ou mesmo uma época”. 

Cada época possui, então, seus clássicos. “O clássico é clássico justamente porque guarda em si mesmo as leituras que fizeram dele no passado”, afirma o professor.

A aversão criada aos clássicos

Por vezes, algumas pessoas questionam o valor dos clássicos. “Os clássicos devem ser lidos e devem ser incentivados. É óbvio que, em uma determinada idade, você não consegue apreender tudo aquilo que um autor diz, mas isso não inviabiliza sua leitura”, diz Martins.

Quando criada uma aversão a essas obras, o que acaba por acontecer é a desistência da leitura, ou até mesmo que a leitura nem seja considerada. Sobre esse problema, Paulo Martins comenta que “é um trabalho que os professores devem tentar até as últimas transformar essa aversão em algo interessante. A função do professor de literatura é conquistar o seu aluno para o universo da leitura”.

Mas vale lembrar que os pais também têm um papel muito importante no incentivo à leitura. Mesmo que eles mesmos não leiam, é ideal que essa aversão não seja transmitida aos filhos e que eles possam experimentar e se descobrir no universo dos livros.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica, a Faculdade de Medicina e o Instituto de Estudos Avançados. No ar, pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 10h45, 14h, 15h e às 16h45. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.