Óperas rock carregam protestos e sentidos fortes em sua história

Gênero musical segue linha do rock clássico em se alinhar a causas de protesto

Nesta edição do programa História do Rock, o professor Mario De Vivo fala sobre as óperas rock, gênero que se originou a partir da ópera clássica na metade da década de 1960.

O professor conta que “as óperas mais conhecidas hoje tiveram suas primeiras aparições no século 17”, ainda que o gênero esteja mais ligado aos musicais, que são shows de músicas adaptados para o teatro, nos quais existe um tema central e uma história para ser desenvolvida.

A primeira ópera rock foi Hair (cabelo), obra escrita por James Rado e Gerome Ragni e criada por Galt MacDermot. O musical estreou em 1967 e na época se tornou um dos hinos dos movimentos antiguerra do Vietnã, seguindo a linha do rock como gênero que se alinha às causas sociais. O nome do musical fazia referência ao significado dos cabelos grandes dos homens, que representava contradição ao Estado que incentivava o apoio da população à guerra.

Dentre as principais características da ópera rock, De Vivo destaca que ela “é uma versão que não tem diálogos, diferente das óperas comuns, que são mais teatrais, e a interação entre personagens se dá com facilidade”, mas ressalta que não é unanimidade, e que a banda britânica The Who possui grandes sucessos, como Tommy, que seguem a linha de conversação. 

Ouça no link acima a íntegra do programa História do Rock.

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.


  •  
  •  
  •  
  •  
  •