O teatro marxista de Bertolt Brecht

O dramaturgo alemão aprofundou o conceito de teatro épico, por meio do qual ator e público ativam a consciência crítica

 08/11/2016 - Publicado há 5 anos  Atualizado: 24/04/2017 as 14:23

Ouça  a coluna “Diversidades”, com o professor Ricardo Alexino Ferreira.

logo_radiousp_790px
.

Bertolt Brecht - Foto: Divulgação
Bertolt Brecht – Foto: Divulgação

Um dos grandes nomes do teatro contemporâneo, o  poeta, dramaturgo e encenador Bertolt Brecht é o que se pode chamar de a voz dos oprimidos. Suas peças sempre se destacaram pelo tom marxista, que ele procurou levar também para a teoria e a prática da dramaturgia e da encenação. Brecht mudou completamente a função e o sentido social do teatro, procurando usá-lo como arma de conscientização e politização. Nas palavras do dramaturgo, é preciso estranhar tudo que é visto como natural.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.