Queda do desemprego mundial em 2018 surpreende especialistas

O professor Paulo Feldmann (FEA-USP) tem uma explicação para o fenômeno, que não era esperado

Alguns relatórios divulgados por órgãos específicos de algumas áreas podem trazer surpresa para especialistas. Foi o que aconteceu com o anúncio feito pela Organização Internacional do Trabalho (OIT) de que houve leve queda do desemprego em 2018. O referido ano fechou com taxa de 5% (em 2017, índice foi de 5,1%), o que representa cerca de 172 milhões de desempregados.

Apesar de parecer pessimista, a afirmação de Paulo Feldmann de que a redução do desemprego não era esperada e sim o contrário, ou seja, seu aumento, é explicável. Segundo o professor da FEA-USP, está havendo uma diminuição do comércio mundial, por isso a surpresa com a queda do desemprego.

Contudo, o desemprego mundial pode ter reduzido pelo fato de que a média mundial de desemprego está baixa, conforme falou Feldmann. Um temor do mercado se deve à possível guerra comercial entre EUA e China, que, até o momento, só ficou no discurso. Por causa disso, talvez, as empresas não estejam ainda confiantes em relação a uma guerra comercial entre as atuais potências econômicas.

Em se tratando de combate ao desemprego, o professor ressaltou o importante papel de políticas públicas atuando para a redução das taxas de desemprego e aumento dos contratos de trabalho, principalmente na Ásia. Em se tratando de Brasil, Feldmann diz que há um problema com a questão do desemprego, “porque aqui acredita-se que o mercado vai resolver o problema”.

Paulo Feldmann ainda comenta a constatação da OIT da persistência da disparidade de salários entre os sexos no mundo.

Ouça a matéria completa no áudio acima.

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.