O eterno retorno das doenças infecciosas

Doenças que já deveriam estar erradicadas do nosso meio insistem em retornar, seja por um motivo ou outro

No que diz respeito às doenças infecciosas, o professor Paulo Saldiva entende que o Brasil está andando para trás. Basta observar que as doenças transmitidas por insetos vieram, ao que parece, para ficar. Moléstias como dengue, febre amarela ou zika só fazem aumentar em vez de diminuir. E mesmo aquelas doenças que são preveníveis por vacinas voltam a dar sua cara por aqui, o que pode ser tanto produto da desinformação quanto da resistência bacteriana aos antibióticos.

Aliás, o uso indiscriminado de antibióticos contribui enormemente para a multiplicação de cepas multirresistentes. É o processo de seleção natural em andamento. “Uma bactéria que vive em nosso organismo pode ter milhares de gerações no espaço da vida de um ser humano”, afirma Saldiva. Se nada for feito para conter esse avanço, “possivelmente em dez anos a eficácia dos antibióticos será praticamente nula”.

Acompanhe, pelo link acima, a íntegra da coluna Saúde e Meio Ambiente, na qual o professor Paulo Saldiva conversa com Cinderela Caldeira.


Saúde e Meio Ambiente
A coluna Saúde e Meio Ambiente, com o professor Paulo Saldiva, vai ao ar toda segunda-feira às 9h30, na Rádio USP (São Paulo 93,7 FM; Ribeirão Preto 107,9 FM) e também no Youtube, com produção  do Jornal da USP e TV USP.

.

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.