O Brasil perdeu espaço na indústria de alta tecnologia, diz o economista Paulo Morceiro

Participação do setor industrial no PIB recuou cedo demais quando comparada ao que ocorreu nos países desenvolvidos

Foto: Alberto Coutinho/GOVBA via Fotos Públicas

A indústria brasileira atingiu, em 2018, seu menor patamar de participação no Produto Interno Bruto – o PIB. Apenas 11,3%. O pico dessa participação se deu em 1986, 27,3%. No mundo inteiro, a indústria diminuiu sua participação nas economias nacionais, abrindo espaço para o setor de serviços. Mas, aqui no Brasil, depois de um longo esforço que começou em meados do século passado, a indústria recuou cedo demais. Os setores mais prejudicados foram justamente os de alta tecnologia, os que apontam para o futuro.

Na série Desafios, da TV USP, o economista Paulo Morceiro analisa essa questão. Morceiro é doutor em Economia pela USP, pesquisador da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) e graduado na Unesp, com experiência de dez anos na Federação das Indústrias do Estado de São Paulo. É dele a tese de doutorado A indústria brasileira no limiar do século XXI: uma análise da sua evolução estrutural, comercial e tecnológica, defendida em 2018 na Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da USP.

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.


  •  
  •  
  •  
  •  
  •