Novas drogas antiepiléticas diminuem risco de malformações

Estudo revelou diminuição de mais de 27% nas chances de mães com epilepsia terem fetos com malformações congênitas

Nesta edição, o professor Octávio Pontes Neto fala sobre o uso por mulheres de drogas antiepiléticas e o risco de malformações congênitas em razão disso.

De acordo com o professor, o estudo internacional realizado pelo Registro Europeu de Medicamentos Antiepiléticos e Gravidez (Eurap) avaliou mais de 10 mil gestações, no período de 2000 a 2013, em mulheres que foram expostas a drogas antiepiléticas, e “foi constatado que houve uma diminuição do risco de malformações fetais em mais de 27% com o uso de medicamentos como lamotrigina e levetiracetam”.

Pontes Neto fala que “mulheres que têm epilepsia e estão em período fértil devem ser acompanhadas de perto por um neurologista, sendo ideal a aplicação de monoterapias e o uso de drogas mais leves, como as usadas no estudo”.

Ouça acima na íntegra a coluna Minuto do Cérebro.


O minuto do Cérebro
A coluna O minuto do Cérebro, com o professor Octávio Pontes Neto, vai ao ar toda terça-feira às 9h00, na Rádio USP (São Paulo 93,7 FM; Ribeirão Preto 107,9 FM) e também no Youtube, com produção do Jornal da USP e TV USP.

.

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.