“Nós estamos vendo uma explosão de conflitos dos mais diversos”

A fala é do professor Sérgio Adorno, na opinião de quem a violência é utilizada como uma forma de impor a vontade de uns sobre os outros, e uma das maneiras de lidar com isso é através de políticas públicas

 17/08/2021 - Publicado há 4 meses
Os mecanismos de resolução pacíficos acabam ficando de lado em detrimento da violência – Arte sobre foto de 123/RF

 

A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) vai sediar o evento Sociedades Violentas, que acontecerá no dia 18 de agosto. O encontro irá discutir os diferentes usos da violência nas sociedades modernas e as possíveis soluções para lidar com as problemáticas decorrentes dela. O tema será abordado sob dois pontos de vista, o da violência estatal, exercida por polícias e outros agentes do Estado, e o da violência exercida por atores sociais, das milícias aos movimentos sociais.

“Em muitas sociedades contemporâneas, a violência é utilizada como uma forma de impor a vontade de uns contra a vontade de outros, ou como uma forma de resolução de conflitos que, de alguma maneira, causam prejuízos à integridade de quem quer que seja”, contou ao Jornal da USP no Ar 1ª Edição o  professor Sérgio Adorno, da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) e coordenador do programa Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (Cepid) da Fapesp sobre Estudos da Violência, sediado no Núcleo de Estudos da Violência da USP. O professor é um dos palestrantes do evento.

Sérgio Adorno – Foto: NEV/USP

De acordo com Adorno, apesar de a sociedade atual ter sido construída sobre bases que se guiam por horizontes de pacificação, ou seja, de limitar as chances de exclusão de conflitos, tal modelo não corresponde ao cenário que encontramos hoje no mundo. “Nós estamos vendo uma explosão de conflitos dos mais diversos”, diz o professor, ressaltando que os mecanismos de resolução pacíficos acabam ficando de lado em detrimento da violência. Isso acaba causando uma sensação de medo na população, que sente seu estilo de vida e segurança em jogo. O cenário é considerado preocupante, pois a resposta das forças institucionais do Estado para conter a violência é tão violenta quanto a violência endêmica na sociedade. 

Segundo o professor, um dos maiores dilemas contemporâneos está em torno do uso da força pelos agentes de proteção do Estado. A atribuição dos agentes policiais é exercer a força quando é necessário assegurar a ordem e o direito à vida, assim como a integridade do maior número de pessoas. Adorno diz que não é isso o que acontece na história da sociedade brasileira, em que se vê frequentemente o uso da força letal com mortes, muitas vezes de pessoas que nem estão respondendo na Justiça, sendo que esse é um dos grandes desafios a serem enfrentados. “A polícia tem a prerrogativa de utilizar a força, mas não indiscriminadamente, contra os limites estabelecidos pela lei”, diz ele.

O professor coloca que existem caminhos para resolver as questões ligadas ao estado geral da violência. Ele destaca que as soluções não são fáceis e requerem políticas públicas de curto, médio e de longo prazo e que podem até chegar a atravessar gerações. Ele afirma que sociedades que possuem padrões de segurança pública satisfatórios são as que, durante anos, promoveram mudanças nas suas instituições, tornando-as confiáveis na opinião dos cidadãos.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica, a Faculdade de Medicina e o Instituto de Estudos Avançados. No ar, pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 10h45, 14h, 15h e às 16h45. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.