Nordeste brasileiro sofre pior seca dos últimos cem anos

Volume de água em reservatórios da região caiu mais de 50% em cinco anos e atinge condições de vida da população

A coluna “Saúde e Meio Ambiente” desta semana trata da seca na região do Nordeste brasileiro. Desde 2012, a região sofre com a diminuição do volume de seus reservatórios. Segundo o Monitor de Secas do Nordeste do Brasil, nos últimos cinco anos o volume dos reservatórios do território passou de 67,1% para 15,6%, ao fim de janeiro deste ano.   

A pior seca dos últimos cem anos na região apresenta consequências graves para a população, deteriorando suas condições econômicas e de saúde. “É impressionante que, ao longo dessas décadas, nos períodos históricos, não tenhamos ainda encontrado uma solução para reverter um quadro que assola a população dessa região há tanto tempo”, afirma Paulo Saldiva, médico e diretor do Instituto de Estudos Avançados (IEA) da USP.

Em sua coluna, o professor também explica quais são os fatores que fazem com que o Nordeste passe por longos períodos de seca, citando o fenômeno El Niño e as mudanças climáticas de alcance global. Acompanhe a íntegra da coluna, acima.

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.


  •  
  •  
  •  
  •  
  •