No Vale do Silício, “lugar de mulher é em uma função auxiliar”

Cultura sexista do maior polo de tecnologia do mundo ecoa nas assistentes virtuais de novos produtos

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn274Print this pageEmail


.
Assistentes virtuais têm se tornado cada vez mais comuns nos dispositivos tecnológicos do dia a dia. E é também bastante comum que essas figuras tenham voz e nome femininos, enquanto os aparelhos têm nomes masculinos. Por que será que isso acontece?

Esse é apenas um dos aspectos do sexismo que impera no Vale do Silício, tema desta semana em “Datacracia”. O professor Luli Radfahrer observa a figura do técnico californiano para desvendar a “cultura de garotões” por trás da elaboração de novas tecnologias.

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn274Print this pageEmail

Textos relacionados