No Brasil, energias renováveis ainda não são representativas

Somente quando representarem 30% do total da energia produzida é que terão efeito geopolítico, diz Goldemberg

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

O professor José Goldemberg, analisa a participação cada vez maior das energias renováveis na matriz energética mundial. Para ele, ainda estamos longe desse cenário. “O aumento percentual das energias programáveis é muito maior do que o percentual das energias não renováveis. O vento acrescenta de 4% a 5% ao ano e as energias convencionais baseadas no carvão e petróleo crescem 1%. Dá a impressão que as energias renováveis vão acabar dominando o mundo, no entanto, a participação delas ainda é pequena. No dia em que elas representarem 30% do total da energia produzida, aí sim, terá um efeito geopolítico importante”, esclarece.

Ouça, no link acima, a íntegra da coluna Energia, por José Goldemberg.

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.


  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Textos relacionados