Nenhuma religião tem o monopólio da paz, ressalta Marília Fiorillo

Os budistas da corrente “theravada” se consideram guerreiros espirituais cuja missão é defender sua fé contra forças externas

A professora Marília Fiorillo comenta, nesta edição, sobre a crescente violência entre os budistas que sempre foram vistos como pacifistas. No entanto, essa visão vem mudando com os monges budistas abandonando seus preceitos pacíficos e ganhando adeptos entre políticos e militares convencidos de que sua fé está sob ameaça de muçulmanos.

Marília Fiorillo afirma que o budismo partiu para a guerra aberta pregando o ódio racial, o ataque, a expulsão e o extermínio das minorias islâmicas. “O tribalismo nacionalista dos budistas da corrente theravada insiste na perseguição e violência. Budistas nunca odiaram tanto os mulçumanos”, analisa.

Ouça no player acima a íntegra da coluna Conflito e Diálogo.


Conflito e Diálogo
A coluna Conflito e Diálogo, com a professora Marília Fiorillo, vai ao ar toda sexta-feira às 10h50, na Rádio USP (São Paulo 93,7 FM; Ribeirão Preto 107,9 FM) e também no Youtube, com produção do Jornal da USP e TV USP.

.

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.