Na educação, mudanças causadas pela pandemia passam pelo vínculo escola-família

O professor Nilson José Machado, da Faculdade de Educação da USP, aponta que é tarefa do governo garantir condições e estrutura das famílias

 24/05/2021 - Publicado há 8 meses
O nível de ensino menos afetado pela transição à educação remota foi o da alfabetização Foto: Arquivo/Agência Brasil – EBC

Por precauções sanitárias, a chegada da pandemia impediu a realização de aulas em classes presenciais, causando o afastamento de crianças e jovens do ambiente escolar. Os impactos dessa nova configuração foram diversos. Muitos deles, porém, nada mais são do que o agravamento de problemas já existentes. É o que aponta o professor Nilson José Machado da Faculdade de Educação da USP.

Em entrevista ao programa Jornal da USP no Ar 1ª Edição, o professor analisa que o nível de ensino menos afetado pela transição à educação remota foi o da alfabetização. Para ele, o maior obstáculo está sendo o suporte às famílias das crianças, já que a escola não pode ser mais usada da mesma forma: “Problemas de alimentação, problemas de a família não estar bem estruturada para atender já existiam e foram amplificados. E eu não vejo problema muito especial com a alfabetização, acho que o governo faria bem em se preocupar menos com a miudeza dos processos de avaliação e mais com a condição de trabalho do professor e a condição de vida dessas famílias. Têm crianças em fase de alfabetização que estão sofrendo com isso e já estavam antes da pandemia”.

O objetivo desse processo deve ser o incremento da relação entre família e escola. O professor Machado argumenta, lembrando da pedagogia da alternância, na década de 1930, quando a educação era pensada para que as crianças pudessem também ajudar seus pais no trabalho de agricultura. “Hoje, o contexto é totalmente outro e ajudar no mundo do trabalho não faria o menor sentido, mas está voltando a ser posta em discussão a ideia de uma ‘pedagogia da alternância’, no sentido de dividir mais nitidamente a participação da família e da escola.”

Para isso, seria importante garantir a condição e a estrutura das famílias dos estudantes brasileiros. Sem atribuir tanta importância a projeções de prejuízo no ensino brasileiro pela pandemia, o professor enxerga que o esforço e solidariedade que aparecem na pandemia, mesmo junto às tragédias, podem também ser refletidos no sistema educacional: “Sou totalmente favorável à educação integral, mas não entendida como a educação em tempo integral, mas no sentido de sentimento, família, escola e atividades integradoras, isso sim. A educação integral contra a fragmentação disciplinar que a gente vive hoje na escola”.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica, a Faculdade de Medicina e o Instituto de Estudos Avançados. No ar, pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 10h45, 14h, 15h e às 16h45. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.