Mudanças climáticas podem aumentar casos de Super El Niño

O professor Tércio Ambrizzi diz que a versão mais poderosa do El Niño já apareceu três vezes e deve ter consequências ainda mais extremas

O El Niño é um fenômeno climático que está relacionado com o aumento da temperatura das águas do oceano e influi diretamente nas chuvas de várias regiões do planeta. Mas, nos últimos anos, uma versão mais poderosa dessa oscilação atmosférica vem aparecendo: o Super El Niño, com consequências ainda mais extremas.

Aquecimento global – Foto: W J (Bill) Harrison on VisualHunt.com/CC BY

O professor Tércio Ambrizzi, do Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas (IAG) da USP, explicou como funciona o El Niño e relembrou os três casos em que o Super El Niño apareceu, nos anos de 1982, 1998 e 2015.

Ambrizzi comentou que a ciência ainda não tem respostas para como se dá a formação do El Niño: a grande dúvida é se é o mar ou a atmosfera quem inicia o fenômeno. O professor disse também que modelos matemáticos já preveem que o aquecimento global irá causar Super El Niños com maior frequência nos próximos anos.

Confira acima a matéria completa.

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.