Morte de Fidel Castro não deve trazer impactos para a economia

Segundo colunista, a morte de Fidel Castro pode acelerar o processo de integração de Cuba com outros países

 29/11/2016 - Publicado há 5 anos

Acompanhe a entrevista com o professor Luciano Nakabashi, da FEA-RP/USP:

A morte de Fidel Castro, que ainda repercute mundo afora, não deve trazer grandes impactos para a economia das Américas. A tese é do professor Luciano Nakabashi, da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da USP de Ribeirão Preto. Ele observa que Cuba é um país pequeno, com uma economia de pouca expressão em comparação à de nações vizinhas.

Em relação à economia doméstica cubana, tampouco nada deve mudar, na opinião do professor da FEA-RP/USP, uma vez que Raúl Castro detém o poder local há vários anos, poder sobre o qual o líder cubano morto tinha pouca influência, como ficou provado no episódio da aproximação com os EUA, que ocorreu mesmo contra a vontade de Fidel.

Nakabashi acredita que a morte de Fidel possa acelerar o processo de integração de Cuba com outros países, com exceção, talvez – desde a eleição de Donald Trump -, dos EUA. É possível que aí haja um retrocesso.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.