Mortalidade infantil retorna com aumento das desigualdades sociais

Ministério da Saúde mostra aumento de mortes de bebês nos últimos anos devido a falhas nas políticas públicas

A mortalidade infantil no Brasil voltou a crescer. O índice foi de 13,3 mortes por mil habitantes em 2015  para 14 mortes por mil habitantes em 2016, segundo o próprio Ministério da Saúde. Não ocorria um aumento na taxa nacional desde 1990. A taxa indica o número de bebês que morreram antes de completar um ano de vida a cada mil crianças nascidas vivas num dado período de tempo. É considerado um indicador da qualidade de alguns serviços oferecidos para a população, como os serviços na área da saúde.

O crescimento não pode ser observado como um leve aumento de casas decimais. Ele significa e evidencia que a saúde pública está falhando no que diz respeito ao acompanhamento médico durante a gestação e nos primeiros momentos da vida da criança, principalmente com as parcelas mais vulneráveis da sociedade.

Foto: Skalekar via Pixabay – CC

O professor  Paulo Rogério Gallo, do Departamento de Saúde, Ciclos de Vida e Sociedade da Faculdade de Saúde Pública (FSP) da USP, afirma que as taxas brasileiras estavam diminuindo e enfatiza que o problema da mortes de bebês antes de completarem um ano é uma consequência do crescimento de desigualdades no País, que atinge as mulheres das camadas mais afetadas. “O aumento é significativo no sentido de mostrar que há problemas nas políticas públicas e na assistência às gestações e ao parto. A gente chega num momento em que não há mais como reduzir — ou esconder — a tamanha desigualdade social que passa o País.” As reduções anteriores na taxa de mortalidade infantil, segundo o professor, são justamente por adoções de medidas que acompanham a saúde materno-infantil de forma efetiva e na melhora na condição de vida da sociedade como um todo.

Cuidar da mortalidade infantil em suas causas é garantir que a condição de vida no Brasil esteja se tornando igualitária e ideal para todos, tanto no setor econômico e social como, principalmente, na saúde. E garantindo, assim, um melhor desenvolvimento das crianças e do País.

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.