Ministério da Educação precisa de pessoas qualificadas

São necessárias pessoas que dominem o assunto para articular e planejar políticas para melhorar a escolaridade dos alunos

  • 1
  •  
  •  
  •  
  •  

Na coluna Reflexão Econômica desta semana, o professor Luciano Nakabashi comenta a recente troca de ministros ocorrida no Ministério da Educação.

Nakabashi fala que a troca foi precoce, no sentido de que o ministro que saiu não teve tempo de realizar o seu trabalho e não porque houve envolvimento em corrupção. “Nesse caso, parece que ocorreu por uma inadequação e falta de preparo para um ministro em um cargo tão relevante.”  

No caso do Ministério da Educação, que está relacionado às políticas de grande potencial para o desenvolvimento do País, é necessário que haja pessoas que dominem o assunto para articular e planejar políticas para melhorar a escolaridade dos alunos.

O professor afirma que hoje a importância maior não está na quantidade de gastos que se tem por aluno, mas são outros os elementos que devem ser pensados, como, por exemplo, a qualidade da educação oferecida, principalmente na pré-escola, além da manutenção do ensino.   

“São elementos essenciais para se pensar. Tem elementos, estudos realizados em outros países e nós temos pessoas qualificadas para fazer a elaboração dessas políticas, então é fundamental pensar na formação dessa equipe agora”, conclui.  

Ouça acima na íntegra a coluna Reflexão Econômica.

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.


  • 1
  •  
  •  
  •  
  •