Meio digital gera grandes quantidades de carbono

O mundo digital não é mais eficiente do que o mundo físico, apenas é mais difícil de ver

 30/11/2018 - Publicado há 3 anos

Nesta edição, o professor Luli Radfahrer comenta a pegada de carbono do meio digital. De acordo com o professor, dizer que o meio digital não emite carbono não é correto, porque esse meio esconde muitas coisas. “Quando usamos os servidores, o GPS do Waze, o Gmail, o Facebook, por exemplo, estamos usando um computador que fica em algum lugar do mundo e esse equipamento está consumindo uma grande quantidade de energia”, observa.

Radfahrer afirma que o digital não é mais eficiente do que o mundo físico, e sim mais difícil de enxergar o efeito direto. “Se em uma indústria normal eu consigo enxergar claramente onde ela impacta o ambiente, no mundo digital parece que as coisas que circulam por ele vão para lugar nenhum, no entanto, em algum lugar do mundo está funcionando um computador para guardar tudo o que circulamos na internet e gastando energia”, comenta.

O professor acredita que à medida que o tempo passar vamos adquirir mais maturidade do mundo digital e tomar mais consciência, e “aí sim, conseguiremos cobrar melhor as contas de energia e todo esse processo que achamos gratuito, e na verdade custa”, ressalta.

Ouça no link acima a íntegra da coluna Datacracia.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.