Medidas do governo federal para enfrentar crise hídrica são tímidas e vieram tardiamente

A opinião é de Pedro Luiz Côrtes ao comentar medidas como a bandeira da escassez hídrica e a bonificação para consumidores que reduzirem o consumo de energia entre 10% e 20%

 03/09/2021 - Publicado há 2 meses
Foi adotada uma política de bonificação para consumidores que reduzirem o consumo de energia entre 10% e 20%  – Foto Marcos Santos/USP Imagens

Com o agravamento da crise hídrica, o Ministério de Minas e Energia (MME) criou a bandeira da escassez hídrica. A tarifa possui um valor maior do que o praticado na bandeira vermelha patamar dois. Além disso, foi adotada a política de bonificação para consumidores que reduzirem o consumo de energia entre 10% e 20%. As medidas foram criadas como forma de lidar com o agravamento da crise hídrica.

“O prognóstico climático, realmente, não é favorável”, contou ao Jornal da USP no Ar 1ª Edição o professor Pedro Luiz Côrtes, da Escola de Comunicações e Artes (ECA) e do Programa de Pós-Graduação em Ciência Ambiental do Instituto de Energia e Ambiente (IEE) da USP. Segundo ele, o anúncio que a medida irá vigorar até abril de 2022 é um reconhecimento de que, mesmo com as chuvas de verão, a crise não será solucionada. “Na prática, o que está acontecendo é que o governo está fazendo com que os próprios consumidores financiem a redução de consumo”, comenta o professor, que caracteriza a medida de sobretaxação como uma forma de gerar recursos para financiar a bonificação da proposta.

Para Côrtes, a efetividade real da medida só poderá ser vista no começo do mês de outubro. “Não acredito que isso venha a reduzir significativamente o consumo, a menos que obviamente as pessoas comecem a perceber o impacto da nova bandeira na sua conta final”, afirma o professor, ao ilustrar a eficácia da tarifação. De acordo com ele, ainda existe a possibilidade de um novo aumento no valor da tarifação, sendo que o repasse atual foi feito de forma branda para reduzir os efeitos do aumento da tarifa sobre a atual inflação.

Ao analisar os prognósticos em relação ao clima, Côrtes não descarta que a atual crise hídrica acarrete apagões em determinadas regiões do Brasil. Em relação a medidas de racionamento, o professor vê como pouco provável esse tipo de medida. O professor compreende as atuais medidas para lidar com a crise como atrasadas e tímidas. Ao comparar a tomada de atitudes com outras crises similares, a tarifação vem como solução atrasada dos prognósticos de falta de chuvas, que eram conhecidos pelo governo e especialistas. “Nós estamos entrando em setembro com o início de medidas um pouco mais fortes, mas ainda não suficientes para equacionar todo esse problema”, conclui.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica, a Faculdade de Medicina e o Instituto de Estudos Avançados. No ar, pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 10h45, 14h, 15h e às 16h45. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.