Medidas antifumo resultam na queda do número de fumantes no Brasil

João Maurício Castaldelli Maia, coordenador do Grea, comenta sobre causas que ajudaram nessa redução

Dados recentes do Tratado Internacional para Controle do Tabaco, feito pela Organização Mundial da Saúde (OMS), apontaram que houve uma redução de 40% da população fumante no Brasil, o que equivale a um número de 19 milhões de pessoas. Essa taxa é um reflexo das políticas antifumo adotadas pelo País, reconhecidamente positivas no cenário internacional, rendendo, inclusive, um prêmio oferecido pela Bloomberg pelo Controle Global do Tabaco em 2015.

Foto: Visualhunt

De acordo com a pesquisa recente da OMS, a principal medida que ajudou na redução do consumo de cigarros convencionais no Brasil foi o aumento dos preços das cartelas de cigarro. Entretanto, o coordenador do Grupo Interdisciplinar de Estudos de Álcool e Drogas (Grea) do Instituto de Psiquiatria da Faculdade de Medicina (FM) da USP, João Maurício Castaldelli Maia, aponta que outras medidas também ajudaram nessa redução. Ele destaca a lei que proíbe fumar em espaços públicos, inclusive em parques e praças, e também o fim das propagandas diretas e indiretas de cigarro nas mídias.

Maia também fala sobre as medidas que ainda precisam ser adotadas para que o Brasil atinja porcentagens nulas de consumo do cigarro e opina sobre o consumo alternativo, como cigarros eletrônicos.

Ouça reportagem completa no player acima.

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.