Médico aponta quais hábitos da modernidade contribuem para obesidade

José Ernesto dos Santos comenta que o estilo de vida contemporâneo também tornou as crianças sujeitas à síndrome metabólica

A síndrome metabólica é uma doença moderna que envolve obesidade, gordura no fígado, resistência à insulina e diabete. O tratamento deve envolver a terapia nutricional e medicamentos anteriormente apenas usados para o controle da diabete. O assunto é destaque no Congresso da Associação Brasileira de Nutrologia, que acontece esta semana. 

Dados de uma pesquisa sobre obesidade, realizada em 26 capitais brasileiras e no Distrito Federal, pelo Ministério da Saúde, em 2018, mostram que 19,8% dos adultos brasileiros estão obesos. “Vivemos um ambiente obesogênico”, declarou o professor José Ernesto dos Santos, da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP), ao Jornal da USP no Ar. 

“A síndrome se caracteriza, principalmente, por uma obesidade central. Aquela barriga saliente, um abdome alargado”, aponta Santos. A medição da espessura da cintura é o protocolo médico. Nas mulheres, é preocupante quando ultrapassa os 88 cm. Para os homens, 102 cm. “É um quadro fortemente associado com doenças cardiovasculares”, alerta.

A síndrome metabólica também pode causar gordura no fígado. “Antigamente, o diagnóstico era feito com palpação do fígado. Agora, o ultrassom detecta presença de gordura no órgão”, conta o médico. Segundo especialistas, a gordura no fígado pode indicar um risco de morte por doença cardíaca. “Existem situações chamadas de hepatite não alcoólicas, provocadas por excesso de gordura”, explica.

Perder peso provoca a redução da gordura do fígado, melhora a resistência à insulina e reduz o risco de complicações. “O efeito sanfona não basta”, defende o especialista. O paciente tem que mudar sua rotina. A má alimentação e a bebida alcoólica são vilões, comenta Santos. “Não é ‘não vou beber’, é ‘não vou beber a quantidade que estou bebendo”, alega. Ele fala que a prudência na ingestão de álcool, açúcares e gorduras é o segredo.

O estilo de vida contemporâneo também tornou as crianças sujeitas à síndrome metabólica, conforme indica o especialista. “Os pediatras, no século passado, não pediam dosagem de colesterol, não se preocupavam em medir pressão arterial das crianças. Hoje, esses exames fazem parte da rotina pediátrica”, comenta. A prevalência e frequência de crianças obesas é muito significativa em todo o mundo. A Federação Mundial de Obesidade prevê que em 2025 serão 91 milhões de crianças obesas.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica, a Faculdade de Medicina e o Instituto de Estudos Avançados. Busca aprofundar temas da atualidade de maior repercussão, além de apresentar pesquisas, grupos de estudos e especialistas da Universidade de São Paulo.
No ar de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 9h30, com apresentação de Roxane Ré.
Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo no celular.

.

.

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.