Medicina e inteligência artificial facilitam melhora dos pacientes

Estudo mostrou que a tecnologia pode facilitar o diagnóstico e acompanhamento durante a terapia médica

Na coluna desta semana, Glauco Arbix explica como pode ser eficiente a união entre inteligência artificial e medicina, baseando-se no artigo publicado recentemente na revista Nature Medicine. Na publicação, há um estudo com duração de seis anos no qual foi usada inteligência artificial para monitorar humores e movimentos de pacientes em Unidades de Terapia Intensiva.

Dentro do período de estudo, o mecanismo se mostrou benéfico para o tratamento, já que as estatísticas provenientes do monitoramento ajudaram a melhorar o diagnóstico e saber se era necessário trocar o tratamento ou não. O colunista, porém, ressalta que a responsável por promover resultados mais positivos é a interação entre as duas áreas, e não a inteligência artificial em si.

Arbix ainda comenta que, mesmo dentro da universidade, não é sempre fácil consolidar essa interdisciplinaridade, e completa: “A Universidade de São Paulo tem que dar exemplo, avançar na construção de mecanismos de interação para facilitar a sinergia entre pessoas que têm competências diferentes, porque os resultados são visíveis”.

Confira no link acima a coluna Observatório da Inovação.

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.


  •  
  •  
  •  
  •  
  •