Medicina e Engenharia se unem na criação de dispositivo para pacientes cardíacos

O protótipo que auxilia o funcionamento do coração de pacientes em fila de espera do transplante apresenta um diferencial importante : a implantação total do dispositivo

 01/06/2021 - Publicado há 5 meses
O dispositivo é destinado a pacientes com o coração debilitado, principalmente para aqueles que esperam por um transplante do órgão – Foto: Marcos Santos/USP Imagens

A Escola Politécnica da USP, em parceria com o Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia, desenvolveu um dispositivo que auxilia o funcionamento do coração, principalmente de pacientes na fila de espera por um transplante. O protótipo é implantado no coração do paciente e funciona como uma bomba de sangue ativada por um motor elétrico, que também é introduzido, estimulado via indução. 

De acordo com José Roberto Cardoso, professor da Escola Politécnica da USP e membro do Instituto de Engenheiros Eletricistas e Eletrônicos, em entrevista ao Jornal da USP no Ar 1° Edição, o dispositivo é destinado a pacientes com o coração debilitado, principalmente para aqueles que esperam por um transplante do órgão. O dispositivo depende de testes em seres humanos, mas a emergência da pandemia impediu a continuação das pesquisas. “A fase de testes em seres vivos já está em condição de início imediato, mas aguardaremos o fim da pandemia para voltar aos laboratórios e atingir esse objetivo”, informa o professor.

Dispositivos ventriculares são equipamentos amplamente utilizados ao redor do mundo, mas o criado pela parceria entre a engenharia e a medicina brasileira apresenta um diferencial: a implantação total do dispositivo. “Os dispositivos atuais não são totalmente implantados e dependem de higienização constante”, explica Cardoso. Além disso, outro ponto importante do dispositivo desenvolvido pela parceria é relativo ao acesso e domínio dessa tecnologia, que, com o tempo, pode se tornar mais barata e acessível. 

A parceria foi formalizada após interesse do Instituto Dante Pazzanese na bomba de sangue desenvolvida pelo grupo de eletromagnetismo da Escola Politécnica, que se preocupa com o desempenho de equipamentos eletromecânicos. Cardoso relata que o instituto propôs uma parceria para que o grupo desenvolvesse o equipamento completo, com todos os problemas eletromagnéticos associados ao funcionamento do dispositivo solucionados. 

Além da bomba e do motor elétrico, é preciso uma fonte para ativar o funcionamento do dispositivo. “Criamos um grupo de mecatrônica da Escola Politécnica e, junto com o laboratório de eletromagnetismo, projetamos esse componente para acionar o motor, o próprio motor e também a bomba.” Cardoso ainda ressalta a importância de se pensar na geometria da bomba, uma vez que, se for implantado e apresentar mau funcionamento no tratamento do sangue, pode gerar complicações para o paciente, como trombose, e até mesmo a morte.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica, a Faculdade de Medicina e o Instituto de Estudos Avançados. No ar, pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 10h45, 14h, 15h e às 16h45. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.