Medicamentos genéricos possuem mesma qualidade que referentes

Baixo custo é justificado devido a ser uma cópia e não passar por longo processo de desenvolvimento

Devido ao baixo custo dos medicamentos genéricos, muitas pessoas acabam se questionando sobre sua qualidade. Maria Aparecida Nicoletti, professora da Faculdade de Ciências Farmacêuticas (FCF) da USP, explica a diferença entre os remédios de referência, genéricos e similares e esclarece dúvidas sobre a efetividade dos fármacos.

A partir do momento em que a patente de um remédio inovador expira, este torna-se um medicamento de referência. Os genéricos são classificados como a cópia do medicamento de referência. Já os denominados similares são aqueles que apresentam diferenças pontuais em relação aos referentes, as quais não impactam na segurança, efetividade e qualidade do fármaco.

A principal diferença entre tais medicamentos é o preço, o que pode ser explicado devido ao alto custo de fabricação de um novo remédio. São cerca de dez anos desenvolvendo novas fórmulas e realizando diversos testes em indivíduos voluntários, o que demanda grande investimento monetário. Os medicamentos genéricos são apenas uma cópia, não havendo necessidade de realizar novos testes de segurança e efetividade, fator que reduz seu preço.

Apesar da terminologia “genérico” ser usada diversas vezes de forma equivocada, tal medicamento é tão efetivo quanto qualquer outro. Deve-se desmistificar do imaginário popular a ideia de que o genérico possui qualidade inferior.

Ouça a matéria completa no áudio acima.

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.


  •  
  •  
  •  
  •  
  •