Medicamento Remdesivir não vai alterar a curva de morte e de contágio da covid-19

Alerta é de especialista da Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto (FCFRP) da USP, que ressalta que o medicamento não será vendido em farmácia e que, mesmo em hospitais, terá uso limitado

 16/03/2021 - Publicado há 11 meses  Atualizado: 19/03/2021 as 12:27
Por

 

O sars-cov-2, que é o vírus da covid-19, tem semelhanças com o vírus do ebola: os dois têm material genético formado por RNA

 

O antiviral Remdesivir tem uma ação limitada no combate à covid-19. O medicamento, aprovado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) na última semana, não deve mudar os protocolos adotados pelo Ministério da Saúde para o tratamento da doença, pois ele atua apenas em pacientes internados que estejam com pneumonia e que não recebam respiração forçada, ou seja, não estejam intubados. 

Criado originalmente para combater o ebola pela biofarmacêutica norte-americana Gilead Sciences, o medicamento passou a ser estudado no ano passado nos Estados Unidos para o tratamento da covid-19, porque o sars-cov-2, que é o vírus da covid-19, tem semelhanças com o vírus do ebola: os dois têm material genético formado por RNA. O medicamento atua para impedir que o vírus se replique no organismo humano. “Mesmo assim, os estudos não são conclusivos.” É o que informa o farmacêutico Leonardo Régis Leira Pereira, professor de Farmácia Clínica e Terapêutica da Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto (FCFRP) da USP.

O professor diz que a eficácia do medicamento se restringe a diminuir em cerca de 1/3 o tempo de internação do paciente. “Nos Estados Unidos, pacientes que tomaram o Remdesivir ficaram internados em média dez dias. Os que não tomaram, ficaram em média 15 dias internados nos hospitais”, adianta o professor, que ressalta que o medicamento é usado em cada paciente apenas de cinco a dez dias e que seu uso não vai interferir na curva de morte e de contágio da doença no Brasil.  

Custo do Remdesivir

A Anvisa liberou o Remdesivir depois de outros 50 países já terem adotado o medicamento. Isso aconteceu por dois fatores. O primeiro é que a biofarmacêutica demorou para entregar a documentação exigida pela Anvisa e o outro foi a análise de custo-benefício. “O medicamento é muito caro e os países mais pobres não têm condições de adotá-lo, por isso a Organização Mundial da Saúde (OMS) não recomenda seu uso”, afirma Pereira.

A empresa que detém a patente do Remdesivir ainda não adiantou qual o preço que o medicamento vai ter no Brasil, mas, nos Estados Unidos, custa US$ 3,12 mil aos hospitais. Como o remédio não é vendido nas farmácias e a população não tem acesso, ele será adotado pelo Ministério da Saúde para ser incluído nos tratamentos oferecidos nos hospitais públicos através do Sistema Único de Saúde (SUS). “O próximo passo é o Ministério se reunir com hospitais para incluir o medicamento nos protocolos de tratamento da doença, e os hospitais privados podem ou não adotar o procedimento em razão da relação custo-benefício não ser muito vantajosa,” analisa.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica, a Faculdade de Medicina e o Instituto de Estudos Avançados. No ar, pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 10h45, 14h, 15h e às 16h45. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.