Marília Fiorillo explica diferença entre raposa e porco-espinho

Colunista fala de fábula grega que serviu de inspiração para historiador Isaiah Berlin

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail

A coluna “Conflitos e Diálogos” desta semana traz a seguinte pergunta aos ouvintes: Você é um raposa ou um porco-espinho? A professora Marília Fiorillo alerta que não se trata da fábula de Esopo, mas da distinção feita por Isaiah Berlin (1909-1997), professor da Universidade de Oxford, “um brilhante historiador das idéias e, dizem os que com ele conviveram, um grande conversador e catalisador de pessoas e pensamentos”.

Ela explica que na década de 1950, em um estudo sobre o autor russo Leon Tolstoi, Berlin demarcou a diferença entre o “intelectual raposa” e o “intelectual porco-espinho”, a partir de um verso do poeta grego Arquíloco (~700 a.C. – 650 a.C.): “A raposa sabe muitas pequenas coisas, o porco-espinho, apenas uma, grande”. Quem seria a raposa e quem seria o porco-espinho, para Berlin? Ouça a coluna da professora da Escola de Comunicações e Artes da USP (ECA) e entenda melhor essa diferença.

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail

Textos relacionados