Mapa detalhado do IBGE sobre biomas facilita políticas públicas

Alexander Turra defende que estudo é mais um passo para Brasil se entender como nação marítima

 05/12/2019 - Publicado há 2 anos

Depois de 15 anos, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) publicou uma nova edição do Mapa de Biomas do Brasil. O documento é resultado de uma colaboração entre o órgão e o Ministério do Meio Ambiente (MMA). O estudo mapeia não só os ambientes terrestres, como Amazônia, Mata Atlântica, Caatinga, Cerrado, Pantanal e Pampa, como também os ecossistemas marinhos.

O professor Alexander Turra, do Instituto Oceanográfico (IO), defende que essa edição conta com avanços importantes. “Parece algo superficial, mas a nova divisão dos municípios costeiros é muito importante”, aponta ao Jornal da USP no Ar. Dividindo o território marítimo entre unidades federativas, fica mais fácil traçar políticas públicas de uso sustentável dos oceanos, bem como delegar responsabilidades, segundo o especialista.

Outra novidade é o nível de detalhamento do documento. Na edição de 2004, a escala era de um para 5 milhões. Na atual, é de um para 250 mil. Responsável pela Cátedra Unesco de Sustentabilidade dos Oceanos do Instituto de Estudos Avançados (IEA) da USP, Turra salienta essa precisão, uma vez que o oceano é um ambiente altamente tridimensional. “Há desde áreas costeiras até profundidades de cinco mil metros”, explica. Novos estudos sobre os biomas marinhos foram adicionadas ao registro, também.

Agenda 2030: Conservação e uso sustentável dos oceanos, dos mares e dos recursos marinhos para o desenvolvimento sustentável – Foto: FAO/Gemina Garland-Lewis/ODS/UN

O professor lembra que o ambiente marinho é diferente do terrestre. “A gente já tem um Atlas Geográfico das Zonas Costeiras e Oceânicas do Brasil, de 2011”, levanta. De acordo com ele, foi o primeiro passo no desenvolvimento de uma mentalidade marítima. Além disso, há o Grupo Técnico Formação de Recursos Humanos em Ciências do Mar (PPG-Mar), da Marinha do Brasil. Os dados abertos do Mapa de Biomas do Brasil representam mais um avanço importante para a pesquisa dos oceanos.

Com progresso tecnológico na área, o País estaria mais preparado a desafios e desastres, como as manchas de petróleo que aparecem na costa. “A gente tem de entender várias coisas muito básicas, mas importantíssimas, para o Brasil se reconhecer como uma nação marítima”, defende.

Ouça a entrevista na íntegra no player acima.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica, a Faculdade de Medicina e o Instituto de Estudos Avançados. No ar, pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 10h45, 14h, 15h e às 16h45. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.