Longas noites de sono não são essenciais para rotina saudável

Alan Luiz Eckeli, professor da FMRP, afirma que o que importa é a quantidade de horas dormidas, contínuas ou não

A prática de dormir oito horas seguidas à noite não é uma questão biológica, mas, sim, social.  De acordo com historiadores, nossos tata(tata)ravôs costumavam dormir com intervalos longos, durante os quais realizavam inúmeras atividades sociais. Tudo mudou com a modernidade e suas ferramentas, que permitiram ao homem um controle maior da luz.

É isso o que afirma Alan Luiz Eckeli, professor da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP) e responsável pelo Centro de Medicina do Sono de Ribeirão Preto, ambos da USP. Ele também diz que o mais importante para a manutenção da saúde é conseguir dormir por oito horas, mesmo que não seja por um período continuado.

O professor também dá dicas de como melhorar a rotina de sono.

Ouça reportagem completa no player acima.

 

.

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.