Livros infantis ensinam a se comunicar com mais eficiência

Economistas são estimulados a lerem livros infantis para aprender a se comunicar com mais clareza

Por - Editorias: Atualidades, Rádio USP
Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInImprimir esta páginaEnviar por e-mail


.
Usar histórias infantis para tornar a própria linguagem mais acessível, menos técnica, tem sido alternativa de algumas instituições e até mesmo de profissionais. A linguagem técnica é mais comum em áreas como a economia, onde as análises costumam ser acadêmicas, com linguagem excessivamente rebuscada.

Roda de leitura na Bienal do Livro de São Paulo de 2014 – Foto: Marcos Santos/USP Imagens

Exemplo disso ocorreu no Banco da Inglaterra, o equivalente ao Banco Central daquele país. Na tentativa de tornar as mensagens mais compreensíveis, a direção do banco teria orientado seus funcionários a estudarem o estilo dos livros O Gatola da Cartola, escritos pelo dr. Seuss.

Por outro lado, o economista-chefe do Banco Mundial, Paul Romer, teria se afastado do grupo de pesquisas do banco por ter pedido insistentemente que os relatórios e e-mails fossem escritos com linguagem mais clara.

Para a professora do Departamento de Educação da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto (FFCLRP) da USP, Elaine Assolini, os livros infantis servem de referência porque exigem uma construção literária para tornar a mensagem mais fácil de ser compreendida.

 

 

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInImprimir esta páginaEnviar por e-mail

Textos relacionados