Lei Maria da Penha altera código de processo penal

Mudança permite prisão preventiva do agressor, entre outras medidas destinadas a proteger a vítima

A partir da Lei Maria da Penha a legislação sofreu alterações em seus códigos penal e de processo penal. O ofensor, ou seja, a pessoa que pratica a violência doméstica ou no âmbito familiar contra a mulher, passou a ser afastado com a prisão preventiva. Essa é uma medida protetiva de urgência que busca garantir a segurança de quem foi agredida.

Entre as modificações realizadas, a lei traz no âmbito do código penal mais alguns agravantes, como a alteração do Artigo 61, inciso 11, onde se anexou a linha F, que afirma que é circunstância grave abuso nas relações domésticas de coabitação, de hospitalidade, agravando a penalidade do ofensor. O mesmo código penal, nas disposições do Artigo 129, identifica que há mais o agravante do feminicídio, quando a vítima é assassinada pelo fato de ser mulher.

A professora Eunice Prudente lembra que a alteração mais importante, que surgiu a partir da Lei Maria da Penha, foi na LEP – Lei de Execução Penal. Segundo a professora, ela prevê que,“nos casos de violência doméstica, familiar, o juiz pode determinar o comparecimento obrigatório do agressor para programas de recuperação e educação”.

Ouça no link acima a íntegra da coluna Educação e Direitos.


Educação e Direitos
A coluna Educação e Direitos, com a professora Eunice Prudente, vai ao ar toda sexta-feira às 8h30, na Rádio  USP (São Paulo 93,7 FM; Ribeirão Preto 107,9 FM) e também no Youtube, com produção do Jornal da USP e  TV USP. 

.

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.


  •  
  •  
  •  
  •  
  •