Legado americano da guerra ao terror é de fracasso

Segundo a professora Arlene Clemesha, a ocupação americana no Afeganistão encerra-se sem conquistar nada do que pretendia em seu início

 Publicado: 13/09/2021
Com a volta ao poder do Talibã, no Afeganistão, o clima de incerteza volta a pairar sobre o Oriente Médio – Fotomontagem por Rebeca Alencar com imagens de Pxhere e Wikimedia Commons

 

Há 20 anos, ocorreram os atentados contra o World Trade Center, nos Estados Unidos. O ataque terrorista, em 2001, é o maior já ocorrido em solo americano e levou o então presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, a autorizar a invasão do Afeganistão e do Iraque, no que ficou conhecido como “guerra ao terror”. Vinte anos após o início da ocupação, os Estados Unidos retiram suas tropas do Afeganistão, abrindo espaço para o Talibã reassumir o controle da região.   

Arlene Clemesha – Foto: IEA-USP

“A posição americana no mundo vem se transformando, e a saída derrotada dos Estados Unidos do Afeganistão sinaliza claramente essa retração dos Estados Unidos, que é muito significativa”, contou ao Jornal da USP no Ar 1ª Edição a professora de História Árabe Arlene Clemesha, do Departamento de Letras Orientais da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP. A professora ilustra essa derrota dos Estados Unidos, que acontece no contexto em que a administração do presidente Joe Biden decidiu priorizar a crise econômica interna do país em deferência aos gastos militares. “O que ele sinalizou foi uma transformação dessa política, não foi exatamente o fim dela”, afirma a professora, que explica que a retirada de tropas não encerra as interferências que o país possa ter na região. 

O legado americano da guerra ao terror é de fracasso, encerrando-se sem conquistar nada do que pretendia quando da ocupação. Negociações de retirada de tropas, iniciadas pelo presidente Donald Trump, nunca envolveram o governo implementado pelos Estados Unidos no país ou sua permanência, somente sendo acertado uma trégua com o Talibã para evitar ataques contra as tropas americanas. Na realidade, a saída dos Estados Unidos da região só solidifica a expansão da influência do Irã, que possui posições antiamericanas sobre países da região. “A gente está falando de uma derrota dos Estados Unidos em todos os planos, impulsionada e acelerada por sua política de guerra ao terror no Oriente Médio que fracassou”, afirma Arlene.

Com a volta ao poder do Talibã no Afeganistão, o clima de incerteza volta a pairar sobre o Oriente Médio. Para a professora, a ascensão do Talibã não significa necessariamente um avanço do terrorismo sobre o mundo. Apesar da tomada de poder violenta realizada pelo grupo, ela conta que as intenções do Talibã é de se colocar como um governo de estabilização regional, impedindo a expansão de movimentos jihadistas e salafistas, como o Estado Islâmico e a Al Qaeda no Afeganistão. Mesmo com essa intenção, Arnele classifica essa tentativa do Talibã de colocar-se como estabilizador na região como algo difícil de ocorrer, devido a dúvidas sobre o real poder que o grupo possui, até mesmo pelas cisões internas que, devido a diferentes opiniões, ocorrem dentro do grupo. “Ele quer se colocar como um governo legítimo, conquistar essa legitimidade, esse lugar no jogo de poder e econômico regional”, conclui a professora.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica, a Faculdade de Medicina e o Instituto de Estudos Avançados. No ar, pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 10h45, 14h, 15h e às 16h45. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.